O fim de semana foi bom para as equipes da Capital

31 03 2008

Bruno Martins – brunohmartins@gmail.com 

Sábado, o Atlético conseguiu uma vitória expressiva, 6 a 0, no até então quarto colocado do Campeonato Mineiro, Rio Branco. O jogo foi no estádio do Azulão, em Andradas. Gostei  das condições do gramado, que proporcionou um bom jogo. Apesar da goleada, a equipe do sul de Minas jogou bem, pelo menos o primeiro tempo. Teve até um gol inavalidado pelo juiz Ricardo Marques Ribeiro, que já se acha um Oscar Ruiz. O gol foi mal anulado, mesmo assim o Galo obteve todos os méritos nessa vitória, o meio de campo foi muito bem, Márcio Araújo, Rafael Miranda e Renan estavam bem entrosados. Danilinho participou de pelo menos três gols. Gérson é muito melhor que Coelho, vai e volta toda hora, falta um pouquinho de técnica, mas compensada pelo esforço. Marinho fez um gol de craque, Nicácio entrou e guardou o seu, assim como Eduardo que começou jogando. No setor defesivo, Marcos e Almeida tiveram uma boa atuação.O Rio Branco teve apenas três boas chances de marcar, mas a segurança de Juninho impediu os gols do Azulão. No domingo foi a vez da Raposa, que fez um excelente primeiro tempo, 2 a 0 sobre o Ipatinga(resultado final- jogo no Mineirão).Destaque para o garoto Sandro Manoel, bom no desarme e sai muito bem para o jogo. Houve uma interação muito boa entre ele e os outros dois volantes: Léo Silva e Elicarlos, o primeiro atuou como um terceiro homem do meio de campo, mais na armações de jogada e o segundo foi um terceiro zagueiro. Fabinho estreiou com gol, o atacante fez o primeiro da partida, mas só isso. Guilherme participou do gol e se movimentou muito bem, ao lado de Marcinho, que fez o segundo gol. Wágner jogou improvisado na ala esquerda, fez o arroz com feijão e ainda participou do segundo gol, em lance de bola parada. No segundo tempo, Thiago Gosling foi expulso, Adílson colocou Marquinhos Paraná no lugar de Guiherme e Ramires no lugar de Fabinho. Sem atacantes, o Cruzeiro só administrou o resultado e Fábio assegurou a vitória, com duas defesas sensacionais. O Ipatinga agora se vê obrigado a vencer o Villa Nova, em seus domínios, se não quiser cair para o módulo 2 do Mineiro. Já o cruzeiro assegura a primeira posição com um simples empate contra o Tupi, na útima rodada, em Juiz de Fora.

Anúncios




Fim de festa, foco no mineiro.

28 03 2008

Fábio Moura – lock_morgan@hotmail.com

Pronto, o Atlético já é oficialmente um clube centenário, as comemorações já se encerraram, e agora está na hora de pensar exclusivamente no futebol. Esse é o pensamento do técnico Geninho, que após o (nem um pouco) amistoso de ontem contra o Peñarol do Uruguai, diz estar focado exclusivamente no próximo jogo do campeonato mineiro, esse sábado conta o Rio Branco de Andradas. Porém o empate contra o violento time uruguaio serviu para mostrar as deficiências do plantel alvinegro. Erros de passe e de finalização já eram mais do que conhecidos do público, mas foi quando Geninho, com medo de que as fortes entradas dos uruguaios machucassem seriamente outro titular atleticano (marques aos 15 minutos deixou a partida contundido), substituiu quase todo o time, que foi possível perceber a péssima qualidade do time reserva. Geninho no entanto tem um alento, na última semana nada menos do que quatro novos jogadores foram anunciados. O atacante boliviano Alfredo Castillo e o armador sérvio (mas de alma brasileira) Dejan Petkovic, foram apresentados nesta quarta-feira, já os meias brasileiros, Peter ex-Figueirense e atualmente no Grêmio, e Gedeon do Tupi de Juiz de Fora, ainda negociam com a diretoria atleticana. Infelizmente os reforços não poderão reforçar a equipe no estadual, pois as inscrições para a competição se encerram na segunda-feira. Para os atleticanos, resta rezar para que o atual time se acerte nessa reta final do mineiro, para chegar com chances na fase final do campeonato.





Ituiutaba e Cruzeiro

27 03 2008

Bruno Martins – brunohmartins@gmail.com 

Mais uma vez acabo de conferir uma pelada, a Raposa jogou mal novamente e apenas empatou com a equipe mista do Ituiutaba por 1 a 1, gols de Thiago Gosling para a equipe celeste e de Dinho para a Boa. O primeiro tempo do Cruzeiro foi bisonho, chutou apenas uma vez ao gol adversário, estava sem meio de campo, Marquinhos Paraná estava muito recuado, Ramires jogava como ponta esquerda e Zé Eduardo tropeçava na bola. Assim como Marcinho, que não sabia se era meia ou atacante. Depois na segunda etapa o time melhorou, com a entrada de Léo Silva, que entrou no lugar do atacante Joabe, este nem tocou na bola no primeiro tempo. Léo deu mais mobiliade ao meio de campo,  é excelente jogador, marca bem, sai bem para o jogo e foi uma espécie de elo entre o meio defensivo e o ofensivo neste jogo. O time criou mais e  teve várias oportunidades, principalmente com Guilherme, que errou dois gols, com chances claras. Mesmo assim, o Ituitaba foi melhor, o time do Pontal deu trabalho aos celestes, pricipalmente com atacante Dinho e os dois alas, muito bons, Peterson na direita e Barone esquerda. No primeiro tempo eles pressionaram mais e chegaram à trave, na cobraça de falta protagonizada pelo jogdor Machado. Os gols foram no primeiro tempo, Thiago abriu o placar, gol de cabeça após escanteio cobrado por Marcinho ao 4 minutos. Aos 15, foi vez da Boa, que empatou também de cabeça, depois de um cruzamento de falta cobrada por Barone. A cabeçada de Denis foi fraquinha, Fábio falhou, mas se redimiu em um defesa impressionante no final da partida, após chutaço de Dênis. O resultado ficou barato para a Raposa. Charles e Fabricío fazem muita falta ao elenco celeste, sem eles Ramires também se transforma em desfalque.





Que joguinho ruim

26 03 2008

Bruno Martins – brunohmartins@gmail.com

Acabei de ver Brasil e Suécia, um amistoso internacional de futebol. O jogo foi em Londres e o Brasil ganhou por um a zero. Gol de Alexandre Pato, aos 26 minutos do segundo tempo. Dunga não pode ser técnico da seleção brasileira, diferentemente do estilo de quando era jogador, Dunga é medroso, suspeita-se até de ser “pau-mandado”. Não tem critérios para as convocações, escala mal e o time não tem esquema tático. Ele sempre formaa equipe em uma espécie de 4-3-1-2 torto. O time fica estranho, como hoje, não há ligação da defesa com o meio de campo, do meio de campo com o ataque. O “1” nesse jogo foi Diego, que ficou encarregado pela armação, além de ser péssimo jogador, não teve aproximações dos atacantes Robinho e Luís Fabiano e muito menos dos volantes, um mais pesado que o outro(Júlio Baptista, Josué e Gilberto Silva). O amante da mídia esportiva Robinho, mostrou mais uma vez que só sabe fazer firula, não tem objetividade, atrapalha a armação e os contra-ataques, se já não bastasse Ronaldinho Gaúcho, agora temos o ex-santista, que se acha Pelé. Pato entrou na segunda etapa e fez um gol com simplicidade, mas um gol de craque, como Ronaldo, Rivaldo e Romário. Diga-se de passagem, o atleta que começou no Inter é uma das poucas promessas do futebol nacional, Thiago Neves é a outra esperança. Richarlison(nervosinho), Daniel Alves(sem técnica), Alex(pesadão), Anderson(nuca fez nada em futebol de primeira divisão) e Robinho(tem um publicidade muito boa) não servem nem para jogar em time de várzea. Gilberto Silva já passou da idade, Josué desaprendeu, Júlio Baptista seria um bom reserva. Temos goleiros melhores que Júlio César, como Felipe, Bruno, Diego Alves, Rogério Ceni, Marcos e Fábio, não entendo essa outra paixão dos cronistas esportivos pelo atual goleiro titular. Com Dunga, a participação do futebol brasileiro será vexatória nas Olimpíadas e não quero nem ver a Copa de 2010.  





25 de março de 2008, 100 anos de um dos maiores clubes do Brasil

24 03 2008

Bruno Martins – brunohmartins@gmail.com

O primeiro campeão brasileiro em 1971, da segunda divisão em 2006, campeão mineiro 39 vezes, duas Taça Conmebol e outros títulos. Isso faz do Clube Atlético Mineiro uma equipe  grande do nosso futebol , de nível nacional e internacional, um clube que além de tudo conseguiu ser importante durante 100 anos. Não é para qualquer um, completar o centenário mantendo uma torcida tão grande e tão apixonada pela equipe. Um amor tão grande que rompeu as barreiras do futebol e que também foi retratado no futsal, talvez esse esporte nunca foi tão valorizado como na época em que existiu o Atlético Pax de Minas, recorde de púbico no Mineirinho, show de bola, liga de futsal transmitida e assistida em todo Brasil. Verdadeiros craques do esporte, como o maior de todos os tempos, Manoel Tobias, tudo impulsionado pela massa alvinegra. Se não bastasse tanta paixão, o clube ainda conseguiu se aproximar mais ainda do público, com a queda do time para a segunda divisão, em 2005. Tristeza que foi absorvida em 2006, festa e mais festa da torcida no Mineirão, jogos eletrizantes , novos ídolos, como Marinho, Roni, Diego, Danilinho, Rafael Miranda e Eder Luiz e a superação: Campeão Brailieiro da série B, com direito a show de Beth Carvalho e sua canção “Vou festejar”, hino do clube nesta competição. Este é o Galo de Cerezo, Éder Aleixo, Reinaldo, Marques, Dadá, Luizinho, Marques e tantos outros que fizeram história neste glorioso clube que completa 100 anos amanhã, sem muito o que comemorar atualmente, mas muito o que festejar por aquilo que já fez. Parabéns Galo!! 





Estranho

23 03 2008

Bruno Martins – brunohmartins@gmail.com

O torcedor cruzeirense pode se preparar, já estou sentindo cheiro de dispensa ou transferência no ar. Me perece que dois jogadores celestes tiveram atritos com o comandante Adílson Batista. Se você deduziu Leandro Domingues e Marcel, acertou!!! Acredito que o desentendimento ocorreu na Venezuela, pois o técnico tinha apenas os dois como suplentes de linha, no jogo contra o Caracas na quarta, e Adílson optou por não fazer susbstituições. No jogo difícil e desgastante como foi, seria lógicas as substituições, ainda porque Wagner e Marcinho estavam apagados na partida. Para completar os dois não foram nem relacionados para a última partida contra o Democrata. Segundo a assessoria do clube , um machucou o joelho direito e o outro o esquerdo, pra mim uma desculpa bem fraquinha. Esse caso é no mínimo estranho, e se Zezé Perrella cumprir o que disse quinta-feira passada, que esta semana ele apresenta três jogadores, um meia e dois atacantes, o torcedor pode ter a certeza que eles serão inscritos na libertadores, dois deles nos lugares de Domingues e Marcel. Uma pena, porque Domingues tem um futebol superior à Wagner, Marcinho e Maicossuel. Vamos ver se estou certo ou eles estavam mesmo contundidos.





Goleiro, a alma do negócio

20 03 2008

Bruno Martins 

Não é de hoje que afirmo que a peça mais importante de um time de futebol é o goleiro. Isso não é opinião, é fato, time sem goleiro ou goleiromeia boca” não ganha título. O bom arqueiro é decisivo, decide um título em uma disputa de pênaltis, pega bolas que seriam impossíveis em momentos importantes. Dida é um grande exemplo, desde quando saiu do Cruzeiro, o time não mais se encontrou a exceção e 2003, em que Gomes conseguiu ultrapassar a barreira dos goleiros medianos e foi protagonista de lances que decidiram os títulos do Brasileirão e da Copa do Brasil. Ele defendeu horrores no primeiro confronto da final da Copa contra o Flamengo no Maracanã e impediu uma suposta vantagem carioca. Nos jogos contra o Santos, adversário direto pelo título nacional, ele fez defesas que o credenciou dehomem borracha“, principalmente no jogo do turno, na Vila Belmiro, em que a raposa venceu por 2 a 0. Fora outras partidas importantes, como na vitória de 1 a 0 sobre o Galo no returno, o jogo contra o Vasco em Mato Grosso e outros inesquecíveis. Voltando a aquele que para mim foi o maior goleiro que vi atuar, Dida, dois títulos da Copa dos campeões da Uefa não é para qualquer um, fora um vice-campeonato. Mesmo com um time repleto de jogadores velhos, os italianos conseguiram a façanha de vencer duas copas em menos de 5 anos, com direito a uma decisão por pênaltis, que deu ele, Dida. Marcos também é outro grande exemplo, foi ele o grande nome da Copa de 2002, vencida pelo Brasil. Ronaldo e Rivaldo foram importantes e decisivos, mas Marcos foi mais. Foi ele que fez uma defesa genial contra a Turquia na semifinal, detalhe, o jogo foi 1 a 0 apenas para os brasileiros, foi ele o grande nome contra a Inglaterra, outro jogo duríssimo, 2 a 1. Também foi Marcos, a figura principal do único título da Libertadores do Palmeiras, em 1999. Taffarel, nem se fala, jamais o Brasil venceria a Copa de 94, sem ele, que ainda foigrande nome da final, disputada por pênaltis. O último campeão Mundial foi a Itália, destaque, Buffon. O Barcelona é um  grande exemplo de time excepcional sem goleiro. Apesar de muitas estrelas internacionais, o time não se caracterizou por ganhar títulos. Há mais de sete anos, o clube merengue vem montando seleções que colheu alguns títulos espanhóis, que nunca foi novidade, ou é eles, ou o Real Madrid. Tirando isso, ganhou apenas um Copa dos Campeões da UEFA, na temporada 05/06, isso porque disputou o jogo da final com o Arsenal, que ficou sem a principal arma, o goleiro alemão Lehmman, expulso logo no início da partida. Mesmo assim os ingleses abriram o placar e seguraram o resultado até o final do segundo tempo, quando o Barça empatou e virou. Valdez é péssimo, faz boas defesas em partidas mornas, mas quandomomento é crucial, “treme nas bases”. Hoje, podemos observar que entre os finalistas da Liga dos campeões, temos quatro clubes ingleses, que investem em goleiros e duas equipes italianas favoritasforam eliminadas, por quê? Dida é reserva do Milan e Júlio César, goleiro da mídia brasileira é o titular da Inter. Doni, que é bem maisoumenos, titular da Roma deve se despedir nesta próxima fase, dificilmente vence a Liga. Em contrapartida, O Arsenal tem Lehmman, o Liverpool em Reina, o Chelsea tem Peter Cech, o Manchester tem Van der Sar. Aqui no Brasil, Rogério Ceni sempre foi goleiro do São Paulo, mas nos últimos anos a equipe voltou a ser vitoriosa, porque Ceni aprendeu a ser um goleiro de momentos decisivos, antes ele falhava demais. Por ser mais inteligente do que bom goleiro, ele aprendeu a se posicionar e evitar gols nas decisões através da experiência. O Flamengo voltou a ser Flamengo, agora com o Bruno, depois de sua chegada, o time disputou duas libertadores, foi campeão Carioca no ano passado através de decisões de Pênaltis e hoje a equipe é uma das favoritas para a Libertadores. Outro favorito, o Fluminense, não vai tão longe, Fernando Henrique é um péssimo goleiro, que pula mais do que defende, vocês verão quando a competição apertar. Outro saltador é Fábio Costa, que foi peçachave ao Santos, mas atualmente falha demais. Fábio, do Cruzeiro, vem demonstrando segurança e já é cobiçado pela Fiorentina, vamos ver se continua assim, porque em seus últimos anos na Raposa o retrospecto não é bom em partidas decisivasContinuando em Minas, depois de ter Bruno e Diego defendendo bem o gol atleticano, Juninho é do mesmo nível, se não for melhor. Aparece em momentos importantes, como no jogo de ontem contra o Nacional, em que a equipe do Amazonas poderia ter matado o jogo aos 40 minutos com o tal de Garanha, mas não fez 3 a 1, graça a defesa dificílima do goleiro alvinegro.