Muita calma nessa hora

26 05 2008

No melhor jogo do Brasilerão, até então, a Raposa goleia o Santos por 4 a 0, assume a liderança e Wágner ainda anuncia gravidez da esposa, depois de deixar a sua marca

Bruno Martins – brunohmartins@gmail.com

Dinâmico, rápido, envolvente, técnico, algumas ou todas essas características poderiam ser aplicadas ao time do Cruzeiro no jogo deste domingo contra o Santos, no Mineirão. Mas tem que ter uma certa cautela para falar sobre a equipe celeste. A Raposa venceu por 4 a 0, perdeu várias oportunidades, principalmente no primeiro tempo. Oportunidades que em muitos jogos poderiam fazer falta, o Santos também teve chances claras de gols, duas com o colombiano Molina, em uma delas Thiago Heleno cortou e puxou o contra-ataque para o primeiro gol do jogo, Guilherme chutou bonito às redes santista, após passe “a lá Ronaldinho Gaúcho” de Jajá, que estreou muito bem com a camisa azul. Depois, o armador santista perdeu o “segundo gol mais feito da partida”, de cara com o goleiro Fábio, Molina mandou para fora. O gol “mais feito” foi Wagner quem perdeu, logo após o primeiro gol, a defesa do Santos saiu jogando mal, a bola sobrou para Ramires que passou para o camisa 10, que apenas precisaria acertar as redes santistas, nem goleiro tinha no lance, a bola também passou perto, mas também foi para fora. O Cruzeiro foi superior em toda partida, isso ficou evidente, mas muitas vezes a sorte não ajuda, se os jogadores dos Santos estivessem mais inspirados no primeiro tempo, a partida poderia ter sido mais complicada para os celestes. Já no segundo tempo, Leão tratou de ajudar os mineiros, sacou Molina do time, que ficou sem poder ofensivo. Os santistas também tem a desculpa do jogo do meio de semana, contra o América, pela Libertadores que desgastou muito o time, principalmente porque a equipe foi prejudicada pela arbitragem. Mas a grande verdade é que o Cruzeiro massacrou a equipe da baixada santista, com a rapidez das saídas de bolas da defesa, puxadas por Fabrício e Charles, a agilidade de Ramirez do meio para frente e as inteligências de Wagner, Jajá, Guilherme e Jonathan (ele mesmo, o lateral tão criticado deu passe para dois gols) foram fundamentais para o show de bola da Raposa na etapa final. Após lançamento de Jajá, Guilherme errou um gol de frente com Fábio Costa, que abafou o chute do atacante. Logo depois, a equipe do Cruzeiro começou a trocar passes por quase dois minutos, acho que todos os jogadores participaram, até Jonathan achar Guilherme no meio dos zagueiros adversários, o atacante driblou o zagueiro Marcelo e mandou para o gol santista, 2 a 0 aos 18 minutos. Depois Maicossuel – entrou na vaga de Jajá -, foi empurrado no meio de campo, quando puxava um contra-ataque, falta. Fabrício bateu rápido a infração, lançando para Wagner que ficou de frente com o goleiro, aí foi só tocar no canto direito de Fábio Costa, 3 a 0, aos 24. Aos 36 minutos, Maicossuel fechou o placar, em um lance de velocidade, o ex-paranista recebeu bom passe de Jonathan e tocou por cima do goleiro do Santos, 4 a 0 para o Cruzeiro. Excelente resultado, mas volto a afirmar que a Raposa ainda tem que corrigir as finalizações, pois assim como nas partidas anteriores-contra Botafogo e Vitória-, os celestes perderam muitos gols, uma hora esses erros podem ser fatais, por isso é bom ter precaução para analisar o time celeste, apesar da liderança e dos 100% de aproveitamento no Campeonato Brasileiro. Sobre o Santos, acho que o time vai se reabilitar e deve brigar pela Libertadores. O time de Leão tem um ótimo centro-avante(Kléber Pereira), o melhor gringo do campeonato (Molina é melhor que Valdívia), tem o Kléber, o melhor lateral esquerdo em atividade no Brasil, além de um bom goleiro e bons zagueiros, como Marcelo e Fabão. O próximo compromisso dos santistas é um clássico contra o São Paulo, domingo na Vila, boa hora para reabilitação. Já a Raposa enfrenta o Coritiba no sábado, jogo que marca o reencontro de Dorival Junior com os celeste, será no estádio Couto Pereira.

Empate é o nosso forte Na estréia do técnico Alexandre Gallo, o Atlético empatou com homônimo paranaense por 1 a 1, partida disputada na Arena da Baixada, também neste domingo. Foi o terceiro empate do Galo no campeonato, o que deixa os torcedores apreensivos, uma vez que o time foi rebaixado em 2005 pelo excesso de resultados de igualdade. Sobre o jogo, no primeiro tempo não há nada o que comentar, duas equipes apáticas, desinteressadas, foi uma partida sem nenhuma emoção. No segundo tempo, o jogo deu uma melhorada, nada muito relevante, mas melhorou devido às modificações. Gallo colocou Marques no lugar do zagueiro Marcos e desfez o esquema com três zagueiro. O técnico Roberto Fernandes, que também estreava, sacou o lateral Piauí e colocou o atacante Walisson. Assim tivemos gols, o primeiro de Eduardo para o time mineiro, após inteligente cobrança de falta de Petkovic aos 10 minutos, o atacante cabeceou livre para o gol adversário. Seis minutos mais tarde, Marcelo Ramos empatou também de cabeça, o ex-cruzeirense antecipou Leandro Almeida, após cruzamento preciso de Wallisson. 1 a 1, placar final e choradeira atleticana das alterosas, no último lance da partida, Coelho sofreu pênalti, que o juiz Emerson Sobral fingiu não ver. As duas equipes se não contratarem, vão brigar para não cair, falta técnica e efetividade nas conclusões de jogadas, talvez por falta de jogadores qualificados. O próximo jogo do Furacão é domingo contra o Palmeiras, no Parque Antártica, derrota na certa! Já os mineiros recebem a Lusa, neste mesmo dia, se não ganhar, o time ficará em situação complicada na competição.   

Até que enfim O Tigre desencantou e marcou o primeiro gol no Campeonato, o atacante Neto Baiano foi o autor da façanha. Apesar do gol, o Ipatinga não saiu do empate com o Goiás, no Serra Dourada, 1 a 1. A equipe da casa foi logo marcando, aos cinco minutos do primeiro tempo, golaço de falta de Paulo Baier. A equipe do Vale do Aço só empatou na etapa final, aos 34 minutos. Outro jogo truncado e com poucos lances de emoção. Apesar de pontuar, o Tigre permanece na lanterna, mas agora é acompanhado de perto pelo Fluminense, que soma o mesmo “um ponto” do time mineira. O Tigre terá pela frente o Vitória, no Ipatingão no próximo domingo, duelo provavelmente equilibrado. O Goiás joga no sábado contra o Figueirense, em Santa Catarina, partida com cara de empate. 

Anúncios