Marquinhos, o novo craque?

31 07 2008

O destaque da partida, Marquinhos Paraná (atrás), sofreu o pênalti, Guilherme cobrou e fez o segundo gol do Cruzeiro

Bruno Martins – brunohmartins@gmail.com

Ele atuou como lateral, volante, armador e até zagueiro. Mas nunca apareceu tão bem quanto no jogo de ontem, do Cruzeiro contra o Náutico, no Mineirão. Marquinhos Paraná jogou muito, partida irrepreensível, sofreu o pênalti que originou o segundo gol da Raposa – Guilherme marcou. Deu chapéu duplo, desarmou como nunca e ainda deu o passe para o último gol do time, também marcado por Guilherme. Foi ala pela direita, lateral pela esquerda, volante e armador. Sensacional partida deste polivalente jogador, sem dúvida a grande peça do “esquema flexível” de Adílson Batista. Outro destaque foi Guilherme, marcou duas vezes, tabelou com Wágner no primeiro gol do Cruzeiro e ainda mandou duas bolas na trave, uma de fora da área e a outra de cabeça. Mostrou que pode produzir mais do que estava produzindo, principalmente nas últimas partidas neste Brasileirão, em que o atacante parecia displicente e sem muita vontande. O outro gol foi de autoria do tão criticado Henrique, volante de confiaça de Adílson. Golaço e boa partida, principalmente na marcação. Final 4 a 2. Diga-se, dois gols sofridos e muitas falhas da defesas. O Timbu deitou e rolou no lado esquerdo da defesa cruzeirense. Jadílson nunca defende, Espinoza que já se complica naturalmente, estava sobrecarregado. É preciso corrigir. Charles é outro que precisa ser melhor orientado, faz muitas faltas descenessárias, ontem fez uma pênalti quando o placar era de 4 a 1 para Raposa. Além disso, Charles se esquece da bola e usa muito o braço nas disputas com os adversários. Uma hora dessas ele será expulso, principalmente se pegar um jogador mais malicioso e bom de teatro, tipo Valdívia, Jorge Henrique e Wágner Diniz. É bom ter cuidado. No geral, o Cruzeiro recuperou o bem futebol, Wágner e Guilherme voltaram a se entender; Rômulo não comprometeu e foi um atacante mais presente; o trio de volante estiveram seguros; e quem esteve na letaral-direita foi bem, tanto Paraná, como Elicarlos e Henrique, que fez o gol, quando estava por este lado. O time é líder – pelo menos até 22h30 de hoje – e pode se consolidar na posição, caso vença o Flamengo, domingo, no Maracanã.





Até que enfim!

28 07 2008

Na rodada dos mineiros, Marques marca e ajuda na vitória do Atlético sobre o Vitória

Bruno Martins- brunohmartins@gmail.com

Demorou, mas pela primeira vez neste Brasileirão, as três equipes mineiras conseguiram vencer em uma mesma rodada(15ª). E ainda apagaram os vexames da penúltima rodada(os três perderam). Além dos 100%, as equipes do estado conveceram, pois bateram adversários difíceis. O Cruzeiro ganhou do Fluminense, que ainda luta para sair da zona de rebaixamento. O jogo foi no Maracanã, onde a Raposa não vencia o tricolor há 32 anos. 3 a 1 e show de bola celeste, apesar dos desfalques do Flusão, que não tinha Thiago Neves, Conca, Thiago Silva. Além de Cícero e Gabriel, que foram vendidos. Já na Raposa, os desfalques eram reforços. Jadílson não jogou e por isso não atrapalhou. Carlinhos estreou e foi muito bem, deu o passe para o primeiro gol, marcado por Guilherme. Fabrício fez o segundo de falta e virou a partida, ainda no primeiro tempo – O Flu tinha aberto o placar, com Washington de pênalti, aos 10 minutos da etapa inicial. Wágner finalizou o placar na etapa final, depois de boa jogada de Camilo. O Cruzeiro foi bastante superior durante toda a partida, parecia que era o mandante. O Ipatinga despachou o ímpeto do Internacional, 1 a 0, gol de Beto. A partida foi no Ipatingão e os destaques foram o zagueiro Leo Oliveira e o goleiro Fred. O Atlético também foi muito bem, venceu o Vitória(3º colocado) por 2 a 1, no Mineirão. Os gols foram de Marques e Gedeon. Rodrigão descontou para os baianos. Esperamos que estas equipes matenham esse ritmo e desencantem de uma vez neste Campeonato Brasileiro. Para os técnicos um dica para cada: Adílson não volte com o Jadílson, Galllo esqueça o Márcio Araújo e Drubsky, saque o Augusto Recife.





Quando tudo parecia perdido…

21 07 2008

Virada histórica: Galo vira, depois de estar perdendo por dois gols de diferença

Bruno Martins – brunohmartins@gmail.com

…Pet foi para o jogo e salvou o Galo de mais um vexame. Levar dois gols, com menos de 20 minutos do primeiro tempo não é para qualquer um. A chance do time ficar atônito era muito grande, ainda mais para uma equipe que entra para jogar pensando em fungir da zona de rebaixamento. Keirrison havia marcado aos 9 e César Prates tinha marcado contra o próprio patrimônio, aos 18 – 2 a 0 para o Coritiba sobre o Galo. Depois do baque, o técnico Alexandre Gallo pensou rápido, aliás desfez a bobagem que tinha – escalou o time com três zagueiros, três volantes, nenhum meia e dois atacantes. Pelo menos um meia de criação era preciso, pois bem, Gallo colocou Petkovic no lugar do volante Renan, resultado: virada, com show direito a show do meia sérvio. Aos 30, ele fez bela jogada pela esquerda, cruzou, Gedeon pegou de primeira e acertou um belo chute, 2 a 1. Aos 45, Pet foi costurando dentro da área do Coxa até sofrer pênalti, ele mesmo cobrou o tiro da marca da cal, 2 a 2. Um alívio para a pequena torcida presente (6569 torcedores) e para o time alvinegro. Segundo tempo, logo aos cinco minutos Rubens Cardoso foi expulso, depois uma entrada ríspida em César Prates, o jogo ficaria ainda mais tranquilo para os atleticanos. Mas foi só aos 27 que o saiu o gol da virada, Eduardo, que havia entrado no segundo tempo, teve a bola ajeitada por Castillo e mandou para o as redes de Vanderlei, 3 a 2, placar final e vitória da recuperação? Só o campeonato vai dizer. O próximo desafio do Galo será no Rio de Janeiro, quarta-feira, contra o Botafogo.

Uma andorinha só não faz verão, já dizia o provérbio

Só Fábio, mais nada No sábado, o Cruzeiro foi massacrado pelo Grêmio. O time mineiro fez uma partida ridículo, típica de equipe pequena, entrou para empatar. O meio não tinha criação; os volantes marcavam só no campo de defesa e mal; ataque já não existe há muito tempo; os laterais são sabem fazer um cruzamento certo; e por último, Espinoza, esse faltou só chutar contra o próprio gol, o zagueirão furou uma bola fácil e ainda deu passe para Perea, sorte que ele tem Fábio, que defendeu tudo que podia e consertou os erros do companheiro equatoriano. O jogo foi 1 a 0 para os gaúchos, placar mentiroso, o Grêmio merecia uma goleada. A única bola que foi para as redes, foi chutada pelo lateral Paulo Sérgio, aos 23 minutos do primeiro tempo. A Raposa recebe o Goiás, nesta quarta-feira, as 19h30 no Mineirão. Ramires não joga, porque foi convocado para a seleção olímpica. Wágner ainda é dúvida.

Tigre goleia e respira um pouco no Brasileirão

Até que enfim, Tigre O Ipatinga, depois de quase dois meses, voltou a vencer no Brasileirão, também no sábado. O time foi muito bem contra a Lusa e goleou, 4 a 1. Léo Silva reestrou na equipe quadricolor e pelo menos deu sorte. Vamos ver se o Tigrão embala e comece uma arrancada rumo à permanência na série A. Seu próximo ocnfronto será contra o Coritiba, no estádio Couto Pereira, em Coritiba.





A um ponto da zona

18 07 2008

Time está cada vez mais próximo da zona vermelha, agora um ponto separa o alvinegro do grupo dos quatro últimos

Bruno Martins – brunohmartins@gmail.com

Depois de mais uma partida pífia, o Atlético ficou mais próximo da zona de rebaixamento, agora o alvinegro está a um ponto do 17º colocado, o Goiás, que ontem empatou com o Vasco por 1 a 1. Sorte do Atlético, o gol carioca saiu nos acréscimos do segundo tempo. Caso contrártio, o Galo estaria hoje entre os quatro últimos. Sobre o jogo do Atlético, diante do Internacional, em Porto Alegre, o time foi tão ruim, quanto o Ipatinga frente ao Botafogo. Foi uma partida de um time só, só deu Inter, do começo ao fim. Nilmar abriu o placar no começo do jogo, a tendência seria uma goleada a favor dos gaúchos. Por infelicidade dos finalizadores do Inter, a previsão não se concretizou, e o resultado foi de 1 a 0 mesmo. Sobre oportunidades perdidas pelo Colorado, as melhores foram criadas pelo goleiro Edson e pela zaga atleticana, mas Alex e Nilmar não souberam aproveitar. O ataque alvinegro, todo mundo já sabe, não existe. Eduardo foi péssimo, mais uma vez nulo; Renan Oliveira pouco apareceu, tremeu em mais uma partida. Que centenário é esse? Que jogadores são esses? Parecem peladeiros!Haja paciência!

Tropeço do Fla O Flamengo foi o outro derrotado de quinta-feira. O líder do Brasileirão não suportou a força do Coritiba, que venceu mais uma vez em seus domínios, 1 a 0. O Coxa foi melhor, mais objetivo e mereceu o resultado, o gol foi do volante Rodrigo Mancha . Já o rubro-negro parece que sentiu falta do artilheiro Marcinho, vendido para o futebol dos Emirados Árabes. O time esteve apático, teve uma única grande oportunidade, com Obina, nada mais. Quem ficou satisfeito com este resultado foi o Cruzeiro, agora a Raposa se aproxima do urubu, a distância agora é de apenas dois pontos, três a menos, em comparação com o início da rodada.





Custou, mas entrou

17 07 2008

Gol salvador: O suplente Elicarlos marcou no final e garantiu os três pontos ao time celeste

Bruno Martins – brunohmartins@gmail.com

Foi talvez o jogo mais travado do campeonato. Há muito tempo não via um time tão retrancado, como foi o Atlético-PR, no jogo de ontem contra o Cruzeiro, no Mineirão. A equipe paranaense tinha em sua formação nove jogadores atuando no campo de defesa. Apenas Joãozinho, ex-Cruzeiro, se posicionava no campo de ataque. O Cruzeiro, que tinha o desfalque de Wágner -o único armador do elenco-, teve muitas dificuldades para criar jogadas de perigo ao gol do Atlético. Bruno, o camisa 10 celeste desta partida, não fez absolutamente nada que tivesse utilidade, não armou, péssimo nos desarmes e pior na conclusão. Na única chance clara que teve, mandou por cima do goleiro Galatto. Foi só depois de sua saída, aos 20 minutos do segundo tempo, que a Raposa criou oportunidades. Jajá chutou bem, Gallatto fez uma excelente defesa. Depois foi a vez de Jadílson, o lateral cobrou falta, a bola bateu na junção do travessão com a trave esquerda do goleiro paranaense. No rebote, Reinaldo -havia entrado no lugar de Bruno- perdeu um gol incrível, era só acertar a cabeçada -Gallato estava caído. De tanto insistir, mesmo sem muita inspiração, o Cruzeiro chegou ao gol da vitória, o volante Elicarlos(entrou no segundo tempo) chutou duas vezes para marcar, depois do desvio do zagueiro do Atlético, 1 a 0, aos 41 minutos da etapa complementar. Jogo difícil, mas uma vitória extremamente importante, assim como no clássico, o Cruzeiro não desistiu, aliás persistiu até marcar. Tanto que os gols dessas vitórias foram marcados após os 40 minutos, do segundo tempo. Com esses resultados, o time mineiro chegou mais perto do Flamengo -que joga hoje contra o Coritiba- e assegura a vice-liderança isolada, pois o Grêmio empatou com Sport. Falando na equipe tricolor, a Raposa vai à Porto Alegre enfrentá-los no próximo domingo, confronto direto na disputa do título e da Libertadores. Vamos ver como a equipe irá se comportar jogando fora de Minas, as últimas lembranças não são boas.

Goleada no Engenhão A volta do Ipatinga à segunda divisão parece iminente. Desta vez, o Tigre de Aço foi goleado pelo Botafogo, no estádio Engenhão, no Rio de Janeiro. 4 a 0, gols de Wellington Paulista, Zé Carlos e Jorge Henrique(2x). A equipe quadricolor jogou muito mal, diferente das últimas partidas, o Botafogo foi infinatamente superior. Diga-se de passagem, Ney Franco já melhorou o alvinegro carioca, o mineiro é um excelente treinador, entende muito de esquema e sabe analizar as virtudes de cada jogador. Foi assim com o improvisado lateral Thiaguinho, melhor jogador da partida, ele participou de todos os lances de gols. Sorte ao Ney! O Ipatinga recebe a Portuguesa na próxima rodada, é vencer ou vencer, caso contrário, o Tigre pode desistir de vez de continuar na série A.





Quando o empate parecia se concretizar…

13 07 2008

Espinoza bem que tentou, mas o Cruzeiro conseguiu a vitória nos acréscimos

Bruno Martins – brunohmartins@gmail.com

O clásico de hoje entre Cruzeiro e Atlético foi horroroso. Duas equipes sem inspiração, jogadores que erravam passes de meio metro, péssimas conclusões ao gol e várias navalhadas, principalmente com Espinoza como protagonista. O zagueirão falhou demais, em uma “jogada do deixa que eu deixo” com Charles, o erro foi fatal. A bola sobrou para Danilinho, que driblou Fábio e mandou a bola para as redes, 1 a 0 para o Galo, aos 33 da etapa inicial. Não demorou muito para o Cruzeiro empatar, aos 36, Jadílson bateu escanteio e Thiago Martinelli pegou “meio sem querer” de primeira e mandou no cantinho de Edson, 1 a 1. Os dois times ainda tiveram oportunidades claras de gols, mas que são neutralizadas pela incopetência de seus atacantes. O Cruzeiro atuou com Fabinho e Weldon, o primeiro parece que não é jogador, não sabe tocar, driblar(na única tentativa, ele conseguiu se desequilibrar sozinho) e muito menos chutar(em uma oportunidade, recuou para Edson); Weldon é muito desaminado, teve algumas chances, mas as desperdiça pela falta de vontade, de raça e não ganha uma dos zagueiros; Rômulo entrou na segunda etapa e errou um gol de cara com o goleiro atleticano. Do lado alvinegro, Eduardo parece que joga com o freio de mão puxado e pouco apareceu; Danilinho, fora o gol, perdeu várias bolas na entrada da área celeste; Castillo e Marques entraram, mas ninguém viu, nem eu. Sem bons atacantes, o jogo ficaria mesmo no empate, ao não ser que acontecessem outras falhas nos setores defensivos dessas equipes. Ficou empatado até os 46 minutos do segundo tempo, quando Ramires recebeu passe de Fabrício, e livre mandou no canto esquerdo do gol de Edson, 2 a 1, resultado final. Gol justo, a Raposa foi melhor na partida, teve mais oportunidades, principalmente na etapa final. O time celeste agora é vice-líder do Brasileirão, com 21 pontos, cinco a menos que o líder Flamengo, que venceu o Vasco, hoje, por 3 a 1. Já o Atlético caiu duas posições e está na décima sexta colocação, a primeira antes da zona de rabaixamento. O Galo, que enfrenta o Inter na próxima quinta, precisa de reforços, principalmente no meio-de-campo e no ataque, caso queira permanecer na série A do Brasileirão. Se perder para os gaúchos, a equipe de Alexandre Gallo pode terminar a rodada entre os quatro que cairiam para a segunda divisão. A Raposa também carece de dois atacantes- mesmo com a volta de Guilherme -, pois o meio cria muitas jogadas de perigo, mas ataque conclui muito mal, e sem dúvida esta é principal razão do time não estar na liderança. Errou muitos gols na derrota contra o Sport e Palmeiras, além dos empates contra o Coritiba e o São Paulo. Agora o time de Adílson Batista vai receber o outro Atlético, o do Paraná, nesta quarta, no Mineirão. 

Tigre cada dia mais próximo O Ipatinga que parecia que estava evoluindo, hoje ficou ainda mais próximo da série B. Perdeu mais uma em casa, e pior, para uma equipe de médio porte e que também é candidata ao rebaixamento, o Figueirense. A equipe catarinense ganhou por 1 a 0, gol de Cleyton Xavier cobrando falta. Com o resultado, a equipe de Drubscky agora segura a laterna de competição, com apenas sete pontos e uma vitória. O Tigre de Aço apenas ensaiou uma recuperação, jogando bem contra Cruzeiro e São Paulo, nada mais do que isso. A equipe quadricolor agora vai ao Rio de janeiro na próxima quarta para enfrentar o “problemático” Botafogo. Será que veremos mais uma derrota do Tigre? Bem provável.





O Tigre foi melhor que a Raposa

11 07 2008

Weldon mostrou mais uma vez que é jogador de time pequeno

Bruno Martins – brunohmartins@gmail.com

Parecia a noite de redenção do Ipatinga, o time de Ricardo Drubscky estava mais compacto, o meio-de-campo formado por Paulinho Dias, Augusto Recife, Xaves e Sandro blindou o meio cruzeirense. Wágner era vigiado de perto por Xaves; Charles e Fabrício não encontravam espaço para a ligação defesa-ataque; Ramires estava tão perdido que foi para o ataque, jogou praticamente a partida toda como um ponta-de-lança, mas pouco apareceu com perigo para o goleiro Fred. O ataque celeste, sinceramente não existiu, Reinaldo se movimenta pouco, já Weldon tentava abrir pela ponta-direita, mas estava muito marcado. A consequência dessa emboleira no “meio-de-campo” foi um jogo truncado e com muitas faltas, principalmente na etapa inicial. Vantagem para o único velocista do jogo, Adeílson, que tinha tudo para se consagrar. Não se consagrou porque é muito individualista, joga de cabeça-baixa e tem péssimo arremate. Pior para Marinho, seu companheiro de ataque que não recebeu sequer um passe com chance de finalização. O primeiro tempo não terminou sem gols graças a um escanteio cobrado por Rodriguinho na cabeça do zagueiro Gian, que aproveitou a saída errônea de Fábio. 1 a 0, aos 41 da primeira etapa. Adílson Batista mais uma vez errou, poderia ter mexido no intervalo, Ramires não vem jogando há tempos e deveria ter sido susbstituído por Jajá. Drubscky fez uma alteração, o lateral Márcio Gabriel entrou na vaga de Sandro; Leandro Salino foi deslocado para o meio, que é a sua posiçao de origem. Resultado: Ipatinga dominou os 20 primeiros minutos da etapa complementar, aproveitou bastante os lados do campo, com o Márcio na direita e Rodriguinho na esquerda. E foi pela direita a origem do segundo gol do Tigre, Jadílson -que erra muitos passes e depois reclama quando é substitído- embolou com a bola e entregou para Salino que rolou para Márcio Gabriel. o lateral escapou pela ponta, driblou Thiago Heleno e cruzou para Adeílson, o “barbantinho” chutou, Fábio espalmou nos pés do próprio atacante, que dessa vez não errou. 2 a 0 aos 9 minutos do segundo tempo. Após o gol, o time celeste continuou perdido em campo, Thiago Vieria por pouco não ampliou. Ramires teve uma chance, mas errou o alvo mais uma vez, não é de hoje que ele perde oportunidade clara de gol. Jajá entrou na vaga de Weldon e pouco acrescentou. Apesar de muito bem marcado, Wágner era o único jogador lúcido pelo lado cruzeirense e sofria faltas toda vez que pegava na bola. Em uma delas ele ensaiou com Charles, que disparou o torpedo no ângulo da baliza de Fred. O Cruzeiro diminui a diferença no placar, 2 a 1 aos 24 minutos. Logo depois, Márcio Gabriel cometeu duas faltas e foi advertido com dois amarelos e consequentemente expulso. Com um jogador a mais, o Cruzeiro foi pra cima, mas foi impedido mais uma vez pela meio ipatinguense. Drubscky tirou Marinho e colocou outro meia, Luciano Mandi, a Raposa continuava sem criação. Adílson errou mais uma vez na formação do banco de reservas, deixou de fora o úncio lateral-direito de origem, Jonathan, que poderia ser solução para jogadas de linha de fundo – Paraná não sabe avançar. O treinador optou por dois volantes e um lateral-esquerdo. Outro que poderia é ajudar é Camilo, que tem velocidade e tem boa finalização. Este ficou em Belo Horizonte. Bruno, que não faz jus ao nome foi a opção de Batista, entrou no lugar de Charles e errou em todos os lances que participou. Assim, os volantes do Tigre ganhavam todas as bolas na sua intermediária e puxava os contra-ataques. Tanto é que Thiago Heleno foi obrigado a cometer falta em Adeílson, levou o segundo amarelo e foi expulso. O jogo só não foi pior para o Cruzeiro, porque Jadílson “achou” um gol faltando dois minutos para o fim da partida. 2 a 2, resultado final e ruim para as duas equipes. O Ipatinga permanece na penúltima posição e o Cruzeiro continua com cinco pontos a menos que o líder Flamengo, agora na terceira posição. O Ipatinga merecia melhor sorte – jogou melhor que São Paulo e Cruzeiro- e tem tudo para vencer o Figueirense na próxima rodada, também em casa. Já o Cruzeiro precisa acordar, senão perde o clássico para o Atlético, que vem de dois empates injustos. O time alvinegro merecia ter vencido o Palmeiras e o Flamengo, porque foi melhor nos dois jogos e vem com moral para o maior clássico do Brasil. Esse jogo promete!