No dia de Ronaldo, Atlético encosta no Cruzeiro

8 03 2009
Ronaldo volta a marcar depois de um longo tempo.

Ronaldo volta a marcar depois de um longo tempo.

Bruno Martins – brunohmartins@gmail.com

Este domingo foi marcado pelo reecontro de Ronaldo com o gol. Há mais de um ano longe dos gramados – voltou na última quarta -, o Fenômeno entrou, mais uma vez, no segundo tempo, desta vez contra o Palmeiras, e acabou mudando o placar. O time corintiano perdia por 1 a 0  e jogava muito mal. Após a entrada de Ronaldo, o time foi outro. De cara, o ex-cruzeirense acertou a trave alviverde, depois fez ótima jogada e cruzou na cabeça de André Santos.

O goleiro palmeirense teve que fazer grande defesa. Já nos acréscimos, em cobrança de escanteio, a bola parece que procurou Ronaldo, que não perdoou, e de cabeça igualou o placar. Quem sabe não esquece, ficou claro. Em poucos minutos em campo, o Fenômeno jogou mais que os outros três atacantes (Dentinho, Souza e Jorge Henrique) do Corinthians juntos. Não importa se está fora de forma, com barriga, velho ou indo para balada. É nítido que o futebol ele jamais esquece.

Falando do Campeonato Mineiro… Como não tenho muito paciência de assistir jogos em gramados pequenos, optei em acompanhar Palmeiras e Corinthians. Pra falar a verdade, o campo desse jogo (a partida foi em Presidente Prudente) também não era lá essas coisas. Mas como era clássico, acabei vendo só algumas partes do jogo do Galo. Pelo que vi, o primeiro tempo foi totalmente dominado pelo Democrata.

Alan acabou abrindo o placar para a equipe de Governador Valadares. Depois o time da casa caiu de produção e Galo acabou empatando ainda no primeiro tempo. Golaço de Éder Luís. O segundo tempo eu vi menos ainda. Diego Tardelli marcou duas vezes, se isolou na artilharia com 10 gols e deu números finais ao placar. 3 a 1. Bela vitória do Galo, que venceu um adversário forte, em se tratando de Campeonato Mineiro, de virada e ainda encostou no líder Cruzeiro, que empatou com Tupi no Mineirão por 0 a 0.

Sobre esta partida, o Tupi entrou com dez jogadores no campo defesa – apenas Adeílson de atacante-  e continuou assim até o final. Resultado: quem assistiu teve sono. De emoção, apenas um lance em que Wellington Paulista deu um voleio e acerou as duas traves do Tupi.

De resto, só passes errados, jogadas pelo meio insistentemente do Cruzeiro e muito chutão por parta da equipe de Juiz de Fora. Sorín, que jogou só o primeiro tempo, pouco apareceu; Bernardo, outro que saiu no intervalo, errou demais; Ramires, que entrou em seu lugar, repetiu a apatia do jogo passado e pouco apareceu; Fernandinho, que entro na vaga de Sorín, deu azar, jogou apenas quatro minutos e saiu contundido.

Ele deve ficar inativo por um longo período. Diego Renan entrou no lugar dele e mostrou que ainda não está preparado para atuar em uma equipe profissional. Kléber, ate que lutou, mas tinha pouco espaço. Foi só, péssima partida, poucos lances, nada de emoções e o Galo na cola.        

Anúncios