Que sono!

15 03 2009
Apesar de várias chances despediçadas, América e Cruzeiro protagonizaram uma partida muito chata para se assistir

Apesar de várias chances desperdiçadas, América e Cruzeiro protagonizaram uma partida muito chata para se assistir.

Bruno Martins – brunohmartins@gmail.com

Belas defesas, bola na trave, várias finalizações. Tinha tudo para ser um bom jogo, mas o próprio resultado já diz tudo: 0 a 0. América e Cruzeiro fizeram a típica partda que irrita ambas as torcidas. Exagero de faltas, vários atendimentos médicos, catimba por parte dos americanos e muitas discussões. Acabou sendo um jogo pouco dinâmico, a partida não fluía e isso cansa os olhos.

O árbitro também tem uma boa parcela de responsabilidade pelo resultado. Cleisson Veloso Pereira se esquivou de vários lances. Evitou a expulsão de Leonardo Silva, que deu um tapa na cabeça do goleiro Flávio. O goleiro americano também deveria ter levado o vermelho: após tomar o tapa, ele tentou agredir Kléber, jogada para no mínimo um cartão amarelo. Depois ele começou a retardar a partida, demorando a cobrar o tiro de meta. Amarelo mais amarelo? Micão também deveria ter ido para o chuveiro mais cedo. Deu uma cotovelada na testa de Sorín dentro da área. Nem pênalti o juiz marcou. Ânderson também cometeu um pênalti, no primeiro tempo, em Bruno Mineiro. O juiz, mais um vez, ignorou.  

No mais, o primeiro tempo foi do América, que criou mais oportunidades, obrigando Fábio a fazer, pelo menos, duas belas defesas. O segundo tempo foi comandado pela Raposa. Wagner e Jonathan entraram e deram mais movimentação ao time. O lateral-direito teve a chance mais clara de gol. Optou pelo chute de três dedos – poderia ter dominado e tocado com categoria – e acabou acertando a trave de Flávio. Sorín também poderia ter marcado, mas parou na bela defesa do goleiro do Coelho. 

O Cruzeiro mantém a invencibilidade, mas deve ficar atento, porque o time caiu muito de produção nos últimos jogos. Erra demais nas finalizações e nos passes. Já o Coelho joga muito recuado, com quase oito jogadores fixos na área defensiva. Não adianta nada ficar só na defesa, empate não leva a nada. Um hora a casa cai e o time ficará sem saber o que fazer. Pelo jeito, o pessoal não tem muita intimidade com as redes.

Anúncios




E agora, Dunga?

15 03 2009

dunga

Bruno Martins – brunohmartins@gmail.com

Pela rodada 28 do Campeonato Italiano, o Milan goleou o Siena por 5 a 1. Pato fez dois gols. Mas  a principal notícia não foi os gols marcados pelo jovem atacante brasileiro. Kaká sim foi o centro das atrações. O principal jogador do Milan e da Seleção brasileira saiu contundido aos 26 minutos da etapa inicial com dores no pé esquerdo. Pelo mesmo motivo, Kaká ficou um mês sem jogar. Se o fato se repetir, o craque brasileiro terá que sr cortado dos jogos da seleção, pelas eliminatórias, nos dias 29 de março e 1° de abril.

E agora, Dunga? Fica a pergunta no ar… O “treinador” da seleção havia dito, no dia da convocação para estes dois confrontos, de maneira irônica, que para convocar Ramires, ele teria que abrir mão de Kaká. O que não tem nada a ver. Ramires, apesar de ser um atleta muito ofensivo, é um volante. Kaká é meia ofensivo, quase um atacante. Se for o coerente – o que nunca foi uma das qualidades de Dunga (exempos não faltam: Marcelo, Ronaldinho Gaúcho, Felipe Melo, Doni, Gilberto Silva, Josué, etc) -, Ramires será o substituto do jogador do Milan. Bom dia, cavalo!  





No ritmo de Tardelli

15 03 2009
Galo vence mais um vez. Ganhou por 1 a 0 do Guarani. Adivinha que fez o gol?

Galo vence mais uma vez. Ganhou por 1 a 0 do Guarani. Adivinha que fez o gol?

Bruno Martins – bunohmartins@gmail.com

Nem Keirrison, nem Kléber, muito menos Ronaldo, o grande atacante do futebol brasileiro, o momento, é Diego Tardelli. Ele está me lembrando o Kléber Pereira no Santos. Desde que o atacante chegou à Vila Belmiro, é difícil vermos um jogo do Peixe em que o atacante não tenha deixado a sua marca. Diego Tardelli vem repetindo esta façanha. Ontem, no jogo contra o Guarani, em Divinópolis, Tadelli marcou mais um e garantiu a vitóri do Galo por 1 a 0, pela sexta vez no Mineiro, e ainda igualou o número de pontos do Cruzeiro, que lidera com o Mineiro, como 20 pontos e um jogo a menos que o rival.

Tardelli marcou o seu 11° no Mineiro, o 15° na temporada – havia marcado três gols no Torneio de Verão e um na Copa do Brasil, contra o Itabaiana. Ou seja, 15 gols em 12 jogos, média de mais um gol por partida. Entre os grandes clubes brasileiros, o atacante que tem a média mais próxima de Tradelli é Keirrison do Palmeiras, que fez 14 gols em 13 jogos. O atleta do Alviverde, antes da estreia de Ronaldo, era o centro das atrações da imprensa do eixo bairrista.

Pra mim, Diego Tardelli é o melhor jogador da posição na atualidade do futebol nacional. Além de fazer gols, ele vem jogando muito bem. Tem um bom passe, sabe driblar no momento certo – diferentemente de Éder Luís- e tem um chute preciso. Mas ninguém da mídia “brasileira” vai dizer isso, ou mesmo, divulgar os números do atacante alvinegro. Infelizmente, e vai ser sempre assim, estará em evidência apenas aqueles jogadores que atuam no famoso eixo Rio-São Paulo. Paciência.