Desce?

31 07 2009
Atlético perde a segunda seguida e perde a liderança.

Atlético perde a segunda seguida e deixa a liderança do Brasileirão.

Bruno Martins – brunomartins@radioliberdade.com.br

E não deu para o Galo. O time precisava vencer o Flamengo, ontem, no Maracanã para voltar a liderança do Brasileirão. O Palmeiras agora é o líder com31 pontos, três a mais que o Alvinegro. 

Mas isso não aconteceu, o Rubro-Negro ganhou por 3 a 1, em uma partida recheada de erros. Falhas dos jogadores atleticanos, flamenguistas, e, lógico, do juiz.

Logo no primeiro minuto, a bola foi cruzada na área do Atlético e o zagueiro Welton Felipe cortou a bola nos pés do lateral Leo Moura, que chutou sobre o gol de Aranha.

Um minuto depois, quem falhou foi a zaga do Flamengo. O volante Serginho estava atento, antecipou e tocou para Éder Luís, livre, marcar. 1 a 0 para o Galo.

Depois do gol, o time alvinegro esqueceu o que é futebol, parecia nervoso em campo e mal passava do meio-campo.

O goleiro Aranha nunca esteve tão inseguro. Saiu duas vezes mal do gol, rebatia bolas fáceis, isso, quando achava a bola. O goleirão também falhou no primeiro gol do Flamengo.

Eu digo também, porque o primeiro erro foi de Tiago Feltri, que saiu jogando mal pela esquerda, o zagueiro Airton cortou para a lateral.

 Na cobrança do arremesso, Feltri falhou novamente e mandou a bola para Toró, que achou Léo Moura livre pela esquerda, que chutou cruzado. A bola passou entre as mãos de Aranha. 1 a 1, aos 36 minutos do primeiro tempo.

Dois minutos depois, Renan rebateu mal, e a bola sobrou para Éverton, que cruzou para Kléberson marcar 2 a 1para o Fla.

Se o Atlético estava mal, piorou no segundo tempo com as substituições de Roth, que colocou Marcos Rocha no lugar do melhor do Galo, Serginho, e tirou Junior para entrada do lento Evandro. Aí foi uma beleza para o Flamengo, que teve o jogo facilitado.

Aos 14 minutos, Welton Felipe tocou para o lateral Éverton, do Flamengo, que passou pelo zagueirão do Galo, ganhou na força do franzino Marcos Rocha, e tocou para a Adriano. O Imperador cruzou para o próprio Éverton marcar. 3 a 1, placar final.

Depois a lambança ficou por conta do juizão Leonardo Gaciba, que deixou de marcar um pênalti claríssimo sobre Tardelli e, no final, deixou de expulsar o zagueiro Ronaldo Angelim, que puxou Éder Luís na entrada da área. Era só o atacante do Galo e o gol. 

Em um lance idêntico, semana passada, valeu a expulsão de Leonardo Silva do Cruzeiro, no mesmo Maracanã. O juiz era o baiano Arílson Bispo da Anunciação. Falta critério à arbitragem brasileira.   





Teimosos!

26 07 2009

adilson

Bruno Martins – brunomartins@radioliberdade.com.br

No Cruzeiro, Thiago Heleno vive machucado e, quando volta, é titular absoluto e sempre atrapalha! Como atrapalha, compromete demais nos jogos em que atua. É uma moleza absurda.

Hoje não foi diferente.Segurou a bola para o adversário marcar e empatar uma partida fácil para o Cruzeiro.

O volante Fabinho é outro que eu não entendo. Foi o melhor jogador nas semifinais da Libertadores contra o Grêmio. Jogou muito. Nas finais foi para o banco para a entrada de Ramires, que já estava vendido e tinha tornado titular da seleção.

O que Ramires buscava dentro do Cruzeiro? Nada, absolutamente nada. Mesmo assim, ele atuou os 180 minutos da final e o clube celeste perdeu.

Neste domingo, mesmo com a suspensão de Fabrício, Fabinho começou entre os suplentes. Inacreditávelmente, Elicarlos foi o titular.

No Galo, a mesma coisa. O time hoje tinha que ter vencido. Precisava da vitória para se consolidar na liderança.

Aí eu pergunto: Quando que o Evandro entrou e mudou o panorama da partida. Quando que o tal do Kléber foi para o jogo e resolveu alguma coisa?

Nunca. E, mais uma vez, lá foram eles para o campo como salvadores da pátria. Se o time estava mal, ficou ainda pior. Se a equipe empatava, perdeu. 

Esses são alguns exemplos de opções de dois bons treinadores, mas que precisam mudar seus conceitos. Já passou da hora de Adílson e Roth deixarem de ser tão teimosos.

P.S: Leandro Domingues marcou mais um gol nesta rodada e decidiu para o Vitória. Fabiano fez um dos gols do Sport.   

celso_roth





O craque da Libertadores

9 07 2009

fabio

Bruno Martins – brunomartins@radioliberdade.com.br

Ele é o cara desta Libertadores. Pegou muito contra o Deportivo Quito, segurou o jogo contra o Sucre, fez milagre contra o Universidad do Chile na primeira das oitavas.

Nas quartas, foi importante no jogo de ida contra o São Paulo. Na semifinal fez duas belas defesas no jogo de ida contra o Grêmio e ainda teve sorte. Na partida de volta pegou um chute cruzado de Herrera, quase indefensável!

Na primeira da final só deu ele: Fábio, o inacreditável. Quantas defesas, que repertório! Queima-roupa de Perez, ponte em um chute de classe de Verón. Mão trocada em cobrança de falta, milagre em uma cabeçada. Antecipação no chute de Boseli. Perfeito.

Atuação de um goleiro que tem tudo pra ficar na história. Só falta o título. Para isso, basta uma vitória. Uma vitória simples, num Mineirão lotado. O Tri da Libertadores está próximo, muito próximo. Basta o Cruzeiro ser o Cruzeiro, mais nada.

No Gigante da Pampulha, o time é o melhor da América. O roteiro é muito parecido com o Bicampeonato. O melhor da equipe era Dida, o goleiro. O jogo de ida da decisão terminou em zero a zero. A final um a zero, com um gol de Elivélton, número 20. Desta vez, o vinte é Gerson Magrão. Será?  





Que venha o Estudiantes!

3 07 2009

GREMIO x CRUZEIRO

Bruno Martins – brunomartins@radioliberdade.com.br

O Cruzeiro vai disputar a sua quarta final de Copa Libertadores e busca o tricampeonato. A decisão deste ano é contra o Estudiantes. O primeiro jogo é na próxima quarta-feira, às dez da noite, no estádio ciudad de La Plata, em La Plata na Argentina.

O jogo de volta é no dia 15 de julho no Mineirão. Ontem, a Raposa fez um duelo que, inicialmente, parecida difícil. Mas o talento do atacante Kléber e a segurança do volante Fabinho e do zagueiro Leonardo Silva facilitaram o jogo para o time estrelado.

Tanto que o Grêmio foi pra cima, jogava em casa, criou algumas chances, mas nada que assustasse o goleiro Fábio. E o Cruzeiro precisou de um ataque para marcar. Kléber passou por três adversários e tocou na medida para Wellington Paulista, que não perdoou e abriu o marcador para a Raposa. Um a zero, aos 34 minutos.

Dois minutos depois, o lateral Jonathan fez um cruzamento perfeito na cabeça de Wellington Paulista, que fez mais um e colocou o Cruzeiro na final. O Grêmio teria apenas o segundo tempo para fazer cinco gols e seguir na competição. Até que o tricolor gaúcho tentou, mas era impossível.

O zagueiro Leonardo Silva precisou sair para o time da casa marcar. O defensor celeste torceu o tornozelo esquerdo e saiu para entrada de Anderson. Réver diminuiu para o Grêmio aos nove minutos e Souza empatou aos vinte e nove.

O volante Adílson, da equipe gaúcha, ainda foi expulso depois de uma entrada violenta em Wagner.

Dois a dois, placar final e o Cruzeiro vai decidir a Libertadores. Um duelo complicado contra o Estudiantes, tão difíceis quanto os anteriores, contra São Paulo e Grêmio!