Empate na altitude

28 01 2010

 

Bruno Martins – www.twitter.com/brunohmartins

O Cruzeiro superou a altitude de mais de quatro mil metros do estádio Victor Ugarte, em Potosí, na Bolívia, e conseguiu empatar, ontem, com o Real Potosí por um a um no jogo de ida da Pré-Libertadores.

O time estrelado saiu na frente logo aos sete minutos do primeiro tempo. Kléber deu um belo passe para Diego Renan, que cruzou na medida para Wellington Paulista marcar: um a zero.

 Apesar do ar rarefeito, a Raposa tinha o controle da partida, mas aos 20 minutos do primeiro tempo, o experiente meia Gilberto, de 33 anos, resolveu dar um soco no atacante Yecerotte na frente do árbitro.

Resultado: foi expulso e o Cruzeiro teve que jogar com um jogador a menos até o final do jogo. O goleiro Fábio fez, pelo menos, três belas defesas. No finalzinho, aos 43 do segundo tempo, o Real Potosí chegou ao empate com o meia-atacante Correa.

Um a um, placar final. Com esse resultado, o Cruzeiro pode empatar sem gols na próxima quarta-feira no Mineirão, que garante um lugar no grupo sete da Copa Libertadores.

A tendência é uma goleada, já que o Real Potosí é um time muito fraco, que só consegue alguma coisa na altitude. Com o placar de ontem, a Raposa chegou ao décimo segundo jogo de invencibilidade como visitante.

A última derrota longe de Belo Horizonte foi em dois de agosto para o Grêmio no Olímpico. De lá pra cá, foram oito vitórias e quatro empates. O goleiro Fábio também alcançou uma marca importante.

Ele ultrapassou Dida é já o terceiro goleiro que mais defendeu a Raposa na história do clube, com 307 jogos.

Anúncios




Clássico das multidões

25 01 2010

Bruno Martins –  www.twitter.com/brunohmartins  

Jogaço no Mineirão. América e Atlético protagonizaram um verdadeiro clássico ontem na primeira rodada do Campeonato Mineiro. A partida ficou um a um, mas houve bolas na trave nos dois lados e ótimas defesas de Aranha e Flávio.

O primeiro tempo foi todo alviverde. O meia Rodrigo abriu o marcador aos cinco minutos do primeiro tempo. Golaço de fora d’área, com ajudinha do goleirão atleticano.

O Mecão continuou em cima e por pouco não ampliou aos 23 com outro chute de longe, desta vez com o bom volante Moises. Aos 30 minutos, o Atlético ficou com um a menos.

O volante Jonilson, que era o único amarelado da partida, levou o segundo cartão e foi expulso. Com um a mais, o América só não marcou o segundo, porque que o armador Luciano conseguiu acertar, de uma só vez, o travessão e a trave aos 41 minutos.

Na volta do intervalo, o técnico Vanderlei Luxemburgo, sacou Evandro e colocou Fabiano que, no primeiro minuto da etapa final, quase empatou o jogo.

Flávio salvou o América e, no rebote, o estreante Muriqui perdeu sem goleiro. Aos sete, o lateral Nando do América também foi expulso. Com o mesmo número de jogadores, o Atlético foi pra cima e aos nove empatou com Fabiano, dentro da pequena área. 1 a 1, placar final.

Depois do empate, o Coelhão voltou pro jogo e só não desempatou, porque Aranha fez duas belíssimas defesas, nos chutes de Werley, contra o próprio gol, e Luciano.

No final, o volante Danilo driblou o goleiro atleticano, mas o zagueirão estreante Jairo Campos salvou o Galo com um carrinho perfeito.





Gladiador sensível

21 01 2010

Bruno Martins – brunomartins@radioliberdade.com.br

O que ele tem de craque, tem de sensível. Na estreia arrasadora do Cruzeiro no Campeonato Mineiro, o atacante Kléber foi o nome do jogo. Marcou três gols na goleada de seis a zero pra cima do Uberlândia, ontem, no Mineirão.

No primeiro tempo, o Gladiador driblou o goleiro duas vezes. Na primeira, o zagueirão tirou na linha e na segunda, ele perdeu o ângulo para o chute. Kléber ainda perdeu um pênalti. Aí não deu outra: a torcida começou a pedir Wellington Paulista e Guerron.

Mas foi outro atacante que abriu o marcador: Thiago Ribeiro, aos 33 minutos, aproveitou o rebote, após um chutaço do lateral Diego Renan. Depois de tanto tentar, Kléber conseguiu fazer o dele. Driblou o goleiro e ampliou para o Cruzeiro aos 46: dois a zero.

Mesmo assim, ele não comemorou e, na saída para os vestiários, não quis nem falar com a imprensa. Na volta do intervalo, o Gladiador esfriou a cabeça, pediu desculpas aos jornalistas e a torcida e aos 15 minutos da etapa final sofreu pênalti, que ele mesmo cobrou: três a zero Raposa.

O zagueirão Caçapa fez o quarto aos 22. Aos 38, Kléber fez o terceiro dele, após passe de Guerron, e Diego Renan fechou a goleada aos 40 minutos. Cruzeiro seis a zero e três gols do sensível Gladiador. Jogar bola, ele sabe e como sabe.

Mas se quiser ganhar algum título importante, Kléber tem que se controlar. O Cruzeiro embarca hoje para a Bolívia para enfrentar o Real Potosí na próxima quarta-feira no jogo de ida da pré-Libertadores.

Caçapa fica em Belo Horizonte, por recomendação médica. O jogador pode ter problemas com a altitude.